Alerta Vermelho!!!

A formação do Costa do Sol conseguiu arrancar três preciosos pontos ao vencer no desafio da 24ª jornada do Moçambola, a equipa do Estrela Vermelha, por 2-0, graças aos tentos apontados por Pai e Parkim nos minutos 24 e 88 respectivamente. Com este resultado, os treinados de Rui Évora passam a somar 31 pontos saindo da 11ª posição para a 10ª da tabela classificativa.

O discurso deixado por Manuel Casimiro, técnico principal do Estrela Vermelha, no final da partida deixou transparecer que a família alaranjada está atravessar por mementos menos bons caracterizados por alegadas sabotagens protagonizadas por um grupo de pessoas que tenciona demover a actual direcção do clube. Embora não tenha assumido publicamente o facto, Manuel Casimiro, limitou-se apenas a dizer que tenciona, dentro desta semana manter conversações com a direcção para perceber o que na verdade está a acontecer. Mesmo, com os salários em dia, assim como também os prémios de jogo, Manuel Casimiro não encontra nenhuma explicação lógica para os resultados positivos não estarem a aparecer.

Porém, o facto é que o Estrela Vermelha voltou a consentir mais uma derrota depois, de na jornada passada ter perdido diante do Desportivo de Nacala por 1-2. Com a derrota registada ontem, no sintético do Costa do Sol, os alaranjados passam a somar 21 pontos continuando abaixo da linha de água na 14ª posição. Embora o timoneiro desdramatize este facto, o certo é que a equipa está em estado de alerta vermelho!

O mesmo não se pode dizer da equipa do Costa do Sol que entrou para esta jornada moralizada com a vitória conseguida na jornada passada diante do Ferroviário de Nampula por uma bola sem resposta. Os treinados de Rui Évora conseguiram conquistar três pontos vitais que lhes possibilita recuperar o fôlego depois de um ciclo de resultados menos bons.

ATITUDE E OBJECTIVIDADE

Poucas dificuldades previam-se para o Costa do Sol a avaliar pelo facto de receber o seu adversário no seu terreno embora não estivesse na qualidade de anfitrião. Com o campo a registar uma afluência esmagadora da claque canarinha, a equipa de Rui Évora e Artur Comboio, duas pratas da casa, os jogadores não poderiam ter feito melhor se não brindar o público com uma vitória!

Como de costume, o Estrela Vermelha assumiu o comando do jogo exercendo pressão alta e obrigando com que o seu adversário jogasse no seu reduto mais recuado. Aos seis minutos a equipa de Manuel Casimiro esteve a beira de marcar o primeiro golo não fosse a falta de pontaria por parte do zambiano David, diga-se de passagem que esteve apagado ao longo dos 90 minutos. Dali para frente, o Estrela não mais conseguia construir jogadas de contra ataque que levassem alguma letalidade à baliza contrária.

Por sua vez, o Costa do Sol não cruzou os braços e desfez-se da teia montada pelo seu adversário. Os canários optaram por apostar num jogo ofensivo privilegiando os flancos. O sul-africano Craig Michael, foi uma peça chave nas incursões da sua equipa. Aos 22 minutos, este médio ofereceu um golo claro a Josimar, mas este último preferiu não marcar cedendo o esférico a Parkim que, por sua vez, também não conseguiu introduzir a bola na baliza à guarda de Frenque.

Os canarinhos continuaram com a mesma toada de jogo e a pisar fundo no acelerador, Craig, Parkim, Josimar e Ruben, este último descaído a esquerda ensaiaram uma jogada de contra ataque em que Parkim foi derrubado tentando penetrar na zona próxima a grande área.

Hermenegildo Matsolo ou simplesmente Pai, curiosamente filho de Sérgio Faife, antigo jogador da selecção nacional e do Desportivo de Maputo, foi chamado a executar o livre directo. Fê-lo com classe e como mandam as regras batendo com o seu pé esquerdo o guardião Frenque que não fez nada mais se não ver as redes a abanarem. Estava feito o 1-0 aos 24 minutos. Recorde-se que este atleta marcou em circunstâncias similares o golo da vitória do Costa do Sol no jogo frente ao Ferroviário de Nampula na jornada anterior.

Dali para frente só deu Costa do Sol. Aos 33 minutos Pai viria, de novo, a ser chamado a executar mais um livre que só não deu um golo graças aos reflexos apurados de Frenque. No segundo minuto da compensação, Lalá perdeu uma soberba oportunidade de sair ao intervalo com o marcador dilatado ao desperdiçar o golo oferecido por Parkim. A equipa do Costa do Sol foi ao intervalo com a magra vantagem mas moralizadora para entrar na segunda etapa para decidir o jogo.

PARKIM FECHA AS CONTAS

Na segunda parte, o Costa do Sol entrou com a mesma atitude da etapa inicial, mas a falta de sincronismo e de pontaria fez com que a equipa passasse ao lado de uma vitória expressiva. Aos 51 minutos, Lalá voltou a claudicar, deixando escapar a oportunidade de fazer o segundo golo depois de uma assistência de Rúben.

Do outro lado, Manuel Casimiro preferiu operar substituições na tentativa de encontrar soluções para reverter o rumo dos acontecimentos. Casimiro fez sair o sul-africano David e o atacante Grégorio, sendo que para os seus lugares entraram Madinho e Chorão, respectivamente. A iniciativa foi até certo ponto positiva, mas os golos não apreciam e a equipa não conseguia sair em contra-ataque.

A mesma opção foi também tomada por Rui Évora, que fez sair Lalá e Rúben e para os seus lugares entraram Paíto (55´) e Onélio (88´), respectivamente. Decisão acertada, pois quando estavam jogados 88 minutos Parkim sentenciou a história do jogo marcando o segundo tento. A crença de Manuelito foi determinante para se chegar ao golo, pois este roubou a bola na zona do meio-campo e fez centro para Josimar, que se encontrava na zona de rigor, sendo que este simplesmente serviu o golo a Parkim, que fuzilou Frenk sem dó nem piedade, tal como mandam as regras.

Na próxima jornada, os "canarinhos" recebem o revigorado Maxaquene, agora treinado por João Figuerdo, naquele que será o "derby" da jornada.

Texto de Raimundo Zandamela

Publicidade

Moçambola 2019

Publicidade

Publicidade

Moçambola 2019

Pos Equipe J DP Pts V E D GM GC
1. C. do Sol 6 +8 14 4 2 0 11 3
2. UD Songo 6 +3 12 4 0 2 9 6
3. Textafrica 6 -1 12 4 0 2 7 8
4. Nacala 6 +5 11 3 2 1 9 4
5. Fer. Beira 6 +3 9 3 0 3 9 6
6. Chibuto 6 +1 9 3 0 3 7 6
7. Fer. Maputo 6 0 9 3 0 3 6 6
8. LD Maputo 6 0 8 2 2 2 5 5
9. Incomáti 6 0 8 2 3 1 7 7
10. Maxaquene 6 0 7 2 1 3 4 4
11. Fer. Nacala 6 -3 7 2 1 3 8 11
12. Fer. Nampula 6 -2 5 1 3 2 6 8
13. Têx. Púnguè 6 -4 5 1 2 3 6 10
14. Des. Maputo 6 +1 4 1 2 3 8 7
15. B. de Pemba 6 -5 4 1 2 3 3 8
16. ENH 6 -6 4 0 4 2 5 11

Opinão

Publicidade

  • Publicidade

Temos 787 visitantes e 0 membros em linha

Facebook