Um capitão livre e sem mágoas!

A notícia do fim da relação entre o Costa do Sol e o seu carismático capitão, Gerson, caiu que nem uma bomba sobre os amantes do futebol nacional, em geral, e sobre os adeptos canarinhos, em particular. É que depois do inolvidável sucesso, que culminou com a conquista da Taça de Moçambique, foi deveras surpreendente a não renovação do contrato com o respeitado capitão (e não só), visto que pelas bandas do Matchiki Tchiki chegaram-nos outras notícias de rompimento, que incluem o treinador Nélson Santos, Rúben e outros jogadores preponderantes da histórica equipa canarinha, que devolveu uma importante conquista ao cabo de 10 sofridos anos.

Mas porque a Direcção do Costa do Sol é autónoma e tem a liberdade e legitimidade de fazer as mexidas que entende que deve fazer, as reformas no plantel devem ser encaradas com naturalidade, embora, por vezes, isso custe. E é com naturalidade que Gerson também recebeu a notícia de que não iria renovar com o clube, por sinal o único que representou desde que decidiu trocar Portugal pela sua terra natal, à busca de reencontros com as raízes, novos desafios profissionais, que passavam, inclusive, por representar a selecção nacional.

No rescaldo dos três anos em que está em Moçambique, e tendo em conta os sonhos que trazia de terras lusas, pode-se dizer que o valioso defesa central chegou, viu e venceu! E por tudo quanto o internacional moçambicano fez até agora, seguramente que outra porta se abrirá dentre em breve.

Boa sorte!!!

Texto de Reginaldo Cumbana