Não seremos bombos da festa

A época futebolística em Moçambique abre oficialmente a 8 de Dezembro, e as movimentações dos atletas já estão a dar que falar. Quem não quer ficar fora do barulho é o recém-promovido ao escalão máximo do futebol moçambicano, o ENH de Vilankulo, digno representante da província de Inhambane.

Em digressão por Maputo e a caminho do Malawi, onde vai procurar trazer mais jogadores, Shuja Ajasse, gestor desportivo do clube, deixa ao desafio o seu posicionamento face ao que pode ser a prestação da sua equipa na época que se avizinha, como também a convivência com o rival Vilankulo FC.

 – O ENH, à semelhança dos outros clubes, não está alheio às movimentações próprias desta altura. O apetrechamento dos clubes que vão enfrentar a prova é feito nestas alturas. O ENH está a fazer o seu trabalho. Já estamos no mercado a preencher o plantel. Tivemos um total de 25 jogadores no plantel passado que levaram o clube a estes patamares. Entretanto, deste lote 12 serão dispensados, ou seja, vamos enquadrá-los em outras equipas como forma de não abandoná-los, pelo reconhecimento que o clube tem por eles.

Estamos com quase 85 por cento do preenchimento das vagas para enfrentar o Moçambola-2015, salienta Shuja Ajasse em entrevista ao jornal impresso.