Vão ter o melhor Lamá de sempre

O guarda-redes Otshudi Odimba Lamá chegou a ser uma das maiores referências no posto de baliza em Moçambique, o que levou Mart Nooij a pressionar que este adquirisse a nacionalidade moçambicana de modo a representar os “Mambas”, numa altura em que Kampango era dono e senhor da baliza do combinado nacional. Nessa altura representava a então Liga Muçulmana, depois de ter estado no Maxaquene, em 2006, quando pela primeira vez jogou por um grande do futebol nacional. Lamá regressaria à Liga, jogando em seguida pelo Costa do Sol e, posteriormente, no Estrela Vermelha da Beira. Refira-se igualmente que este guarda-redes foi duas vezes campeão pelo Ferroviário de Maputo.

Naturalmente que ficar parado durante um longo período pode motivar a perda de rotinas, que se recuperam com trabalho e jogos. Esta situação, para os entendidos, tem maior repercussão nos guarda-redes, que acabam por perder alguns reflexos. Lamá acredita, porém, que tal não vai influenciar no seu rendimento, dado o trabalho a que está submetido no seu Ferroviário de Nacala.

Muitos se questionam sobre qual poderá ser o meu rendimento depois de estar muito tempo sem jogar. Acho que o período de inactividade não vai ter qualquer influência quando for chamado a defender a baliza do Ferroviário de Nacala. Podem ter a certeza de que vão ter o melhor Lamá de sempre. Cheguei a Nacala e encontrei um excelente treinador de guarda-redes, o mister Bento, que todos os dias me sujeita a um trabalho intenso para voltar a estar em forma. Ele motiva-me bastante para voltar a ser como eu era antes, afirmou Lamá, referindo igualmente que o José Guirrugo, do Maxaquene, também ficou cerca de dois anos lesionado e no ano passado demonstrou que ainda pode dar muito a este futebol, disse o novo guarda-redes do Nacala, para quem Sérgio Faife, treinador principal com quem vai trabalhar este ano, pelos conhecimentos que tem, devia estar a trabalhar com uma equipa que luta pelo título.

Este regresso ao futebol é muito saudado pelos adeptos “locomotivas” de Nacala, que remetem Lama a uma grande pressão, pelo que, segundo ele, acrescem as suas responsabilidades e vontade de trabalhar mais e vencer.

Estou ciente do desafio que me foi colocado. Não o temo. Mais do que ninguém, quero vencer. Preciso de encontrar-me comigo mesmo e mostrar que ainda tenho valor. A expectativa criada em redor da minha contratação é grande. Todos querem ver-me a jogar e não defraudar ninguém. Vou responder positivamente à aposta que fizeram em mim, fazendo o que mais gosto: jogar futebol, sublinhou.